desintoxicando malware ransonware

Desintoxicando o seu telefone de todos os malwares, Spyware, e Ransomware

Os ataques de malware são um dos métodos mais freqüentes de roubo de dados e privacidade devido aos quais as empresas enfrentam perdas significativas a cada ano. Apesar do quão comuns se tornaram, várias empresas se recusam a atualizar sua infra-estrutura de segurança cibernética e continuam confiando em técnicas antigas de uso de firewalls e software antivírus desatualizado. Mas não são apenas as empresas que precisam ser cautelosas com os ataques de malware. Mesmo indivíduos comuns podem se tornar alvos fáceis. E seus telefones são o foco principal.

Conteúdo

O que é Malware?

Malware é um termo genérico usado para se referir a um código que rouba informações pessoais ou infecta um dispositivo, principalmente para fins financeiros. Os tipos mais comuns de malware incluem vírus, keyloggers, worms, Trojans, ransomware, botnets, adware, spyware e rootkits. Vejamos como cada um deles difere um do outro.

Tipos de malwares

a. Ransomware:

É um tipo popular de malware que limita o acesso do proprietário a um arquivo ou dispositivo em demanda de dinheiro. O Ransomware também pode acessar arquivos e fotos particulares que o proprietário pode usar para chantagear o proprietário. Este tipo de malware é especialmente perigoso, pois não há garantia de que os hackers devolverão os arquivos ou o acesso do usuário mesmo após receberem o dinheiro. Os hackers geralmente têm como alvo as grandes empresas que podem pagar suas demandas. O hack da Colonial Pipeline Company é um bom exemplo de um recente ataque de resgate.

b. Trojans:

Um Trojan é um pedaço de código malicioso que se esconde em código ou arquivos legítimos, parecendo assim inofensivo na superfície. Os cavalos de Tróia podem assumir o controle do dispositivo de um usuário quando os arquivos legítimos são baixados no sistema. Eles podem se esconder em aplicativos de software, jogos de vídeo e até mesmo atualizações de patches de software. Os cavalos de Tróia também podem ser enviados através de e-mails de phishing.

c. Spyware:

O spyware coleta informações privadas e dados pessoais dos usuários sem sua permissão ou conhecimento. Ele pode reunir dados, tais como histórico de navegação, fotos, e-mails, informações bancárias e senhas de login. CoolWebSearch, um famoso spyware, invadiu o Internet Explorer de um usuário e extraiu seu histórico de navegação e de e-mails. O spyware geralmente chantageia pessoas influentes do poder para obter algo em troca.

d. Vírus:

Um vírus infecta um sistema ao se apegar a um aplicativo de software e se espalha quando o aplicativo é iniciado. Quando um vírus ganha acesso a uma rede maior, ele pode se espalhar e impactar toda a rede. Ele pode apagar arquivos importantes, atolar redes inteiras, lançar ataques DDoS e roubar dados confidenciais.

e. Worms:

Um worm infecta os sistemas, visando vulnerabilidades neles. Ele tem como alvo as falhas de software e backdoors para obter acesso injustificado à rede e se espalhar de forma semelhante aos vírus. E, assim como os vírus, os worms podem apagar arquivos importantes, atolar redes inteiras, lançar ataques DDoS e roubar dados confidenciais. Os worms se replicam como vírus, mas ao contrário dos vírus, eles não precisam de entrada humana para fazer isso.

f. Rootkits:

Um rootkit é um programa de software que permite aos atores maliciosos assumir o controle administrativo completo do computador de uma vítima de longe. Aplicações, kernels, hypervisors e firmware podem ser infectados por rootkits. Phishing, anexos maliciosos, downloads maliciosos e pastas compartilhadas corrompidas são todas formas de propagação. Outros vírus, como keyloggers, podem ser escondidos usando rootkits.

Como o malware se espalha?

O malware é propagado principalmente através de e-mail. De acordo com algumas estimativas, 94% dos ataques de malware são iniciados via e-mail. Mesmo assim, os ladrões usam uma variedade de táticas para realizar um ataque de malware. Estas são apenas algumas de suas estratégias mais prevalentes, com algumas delas sendo híbridas.

Os ataques de homem no navegador ocorrem quando um ator malicioso injeta malware em um computador. O malware então se instala no navegador sem o conhecimento do usuário para registrar dados transmitidos entre a vítima e sites especialmente direcionados.

Quando os fraudadores procuram manualmente por falhas de segurança em dispositivos e redes para injetar malware, eles exploram as vulnerabilidades de segurança.

Os kits de exploração são uma ferramenta que pode ser usada em vez de explorar manualmente as falhas de segurança. Eles são scripts pré-escritos usados para procurar vulnerabilidades em dispositivos e depois injetar malware neles.

Quando as pessoas visitam um site desonesto com um kit de exploração para ataques de malware, isto é conhecido como drive-by download. Eles descarregam, sem saber, código malicioso em seu computador, tablet ou smartphone que executa e infecta o dispositivo.

As emoções das pessoas são manipuladas para fazê-las clicar em links nocivos, baixar anexos maliciosos ou dar informações sensíveis que podem ser exploradas de forma fraudulenta. É conhecido como phishing e é uma tática de ataque de engenharia social empregada para coletar informações sensíveis tais como dados bancários, informações de cartão de crédito ou detalhes de login. Ocorre ao enganar a vítima, personificando um velho amigo ou alguém que ela conhece e confia.

Devido à popularidade dos telefones e das mensagens de texto, especialmente entre os adolescentes, os atores nefastos não estão incorporando o smishing em seu saco de truques. Enquanto o phishing usa e-mails para enviar URLs fraudulentas, o smishing envolve o envio de links fraudulentos através de mensagens de texto. Tanto phishing quanto smishing envolvem comunicação com a vítima e brincadeiras com suas emoções para fazê-los clicar em links prejudiciais voluntariamente.

Como se manter a salvo de malwares?

Os usuários precisam de uma abordagem multifacetada para lidar com os tipos atuais de malware devido à sua natureza avançada.

i. Procure por qualquer aplicativo de hacking de telefone celular

Estes aplicativos afetam os smartphones, incluindo os dispositivos Android e iOS, e podem extrair dados deles sem o conhecimento do proprietário. São similares aos spywares, mas feitos para fins comerciais.

Mas há alguns sinais indicadores de um aplicativo de hacking de telefone celular instalado em seu telefone. Se seu dispositivo desligar, aquecer, diminuir a velocidade, ou se a tela congelar, é provável que seu telefone tenha malware. Procure por aplicativos que estão frequentemente travando ou consumindo espaço extra de armazenamento.

Um dos aplicativos de spyware furtivo mais utilizados para o iOS 15.4 é o XNSPY, que é especialmente difícil de detectar desde sua última atualização.

Alguns dos aplicativos apresentados neste post foram utilizados por hackers para hackear o novo iPhone 13 e o iPhone 13 Pro max. Um deles é o XNSPY. Enquanto outros aplicativos de hacking podem ser detectados por software anti-malware, o XNSPY ultrapassa a maioria das verificações anti-malware, pois opera em modo stealth e não aparece na lista de aplicativos em execução.

O aplicativo também não desliga ou causa um congelamento da tela, tornando muito mais difícil a detecção com meios convencionais.

Entretanto, Xnspy, como qualquer outro aplicativo de spyware furtivo para iOS 15.4, tem a tendência de drenar a energia e diminuir a velocidade do telefone. Portanto, é sempre o jogo de adivinhação com o Xnspy. Portanto, se você tiver alguma dúvida sobre se tem ou não Xnspy ou qualquer outro aplicativo hacker em seu telefone, basta fazer um reset de fábrica e você ficará bem.

Pro-Tip: Apenas certifique-se de manter um backup de dados antes de fazer um reset de fábrica.

ii. Atualize seu Antivírus

Use o software Antivírus e mantenha-o atualizado. Um antivírus pode ajudar a detectar malware monitorando constantemente seu dispositivo e atualizando o antivírus garante que o software tenha as mais recentes defesas contra os tipos de malware recentes.

iii. Seja Cauteloso com Links ou Mensagens Suspeitos

Não clique em nenhum link suspeito e não aceite mensagens de estranhos. Se você receber um e-mail ou mensagem com fontes estranhas, números estranhos, ou inglês quebrado, é muito provável que seja um esquema. Lembre-se sempre, se for bom demais para ser verdade, provavelmente é.

iv. Use a Autenticação Multi-Factor

A autenticação multi-fator, também conhecida como autenticação de dois fatores, acrescenta uma camada de segurança às suas contas, exigindo uma segunda etapa no processo de login. Ela pode ser na forma de um código dado ao seu telefone ou uma varredura biométrica para confirmar sua identidade. A autenticação multi-fator é projetada para impedir que os ladrões tenham acesso aos seus dados.

Então, aí está! Uma vez familiarizado com os tipos de malware e como cada um se propaga, você pode tomar as precauções necessárias para se proteger.